Ele está feliz

A nossa poesia já foi escrita.
É celebrada em versos póstumos
Por autores pós-modernos e incoerentes
Que anseiam pela rima em estrofes de liberdade.
A linguagem já não é a mesma e nem deve ser.
Versos soturnos de uma memória decadente.
Melancolia, Emília.
Doces olhos de castanha,
Da cor da tempestade, diria.
Novos tempos não são tempos perdidos.
Lapidamos nossos tons nas músicas que nos acompanham.
Ah! Nossa música!
Ele está feliz.
O passado nunca esteve tão presente.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s